NADA É MAIS IMPORTANTE…

                     Cansado de dormir, levantar, olhar pela janela, escrever, pensar em soluções para o Brasil, Espanha, Itália, Iran, França, Estados Unidos, São Paulo, Goiânia e São Luiz de Montes Belos. Enfastiado de assistir noticiários repetitivos e monotemáticos, de ver filmes clássicos, lançamentos, séries. As comédias já nem me divertem mais, estou com o riso gasto. Cansado, entediado, me sentindo fudido, paralisado, inútil, peso morto, mas ainda  vivo. Tento a todo tempo fazer alguma coisa que segure a sanidade dentro de mim. Já contei e conferi centenas de vezes quantos passos tem da sacada da frente ao meu quarto de dormir, e da área de serviço até o escritório. Esta manhã resolvi inventar algo inédito. Peguei um pacote de arroz de cinco quilo, derramei numa vasilha de plástico, me acomodei confortavelmente e comecei a contar os grãos. Descobri durante esse tedioso período que tenho curiosidades que nunca suspeitava. Quantos grãos teria ali? Fui contando cuidadosamente, a cada cem separava um para facilitar e não perder a conta. Passatempo delicioso. Já estava ali há uns quarenta minutos quando ouvi: “Benzinho, venha cá por favor”  era minha mulher com seu senso de urgência. “Um minutinho querida, já vou” e continuei contando para chegar à próxima centena e não perder a conta. Quando ela chamou eu estava no 16, para chegar a 100 demora alguns segundos né? Logo ouvi de novo “bem venha cá” . Cadê o benzinho e cadê o por favor. Tratei de completar logo os cem e fui ver o que era. “Olha o que recebi no WhatsApp” disse ela apressando-se em me mostrar. Pensei: “não é possível, eu fazendo coisa mais importante e ela me chama para mostrar bobagem”. – Voltei para a contagem dos grãos.  Previa passar ali um bom pedaço do dia até contar todos. Quando me cansava completava aquela centena, marcava e ia tomar um copo d’água, um café, esticava o corpo e voltava. Já estava para lá da metade, quando meu filho chegou, com meu neto de quatro anos. Violando as normas, abracei fortemente o garoto, estava com saudades. “Vovô, o que você está fazendo?”, perguntou alegremente. Não resisti, puxei-o para o meu colo, e antes que eu completasse a explicação, ele passou a mão e misturou tudo de novo. Foi como se ele me dissesse, “vovô, vamos brincar, isso aí não é tão importante”. Guardei a vasilha com o arroz e fui brincar com meu neto. Foi de longe a melhor coisa do dia. Nada podia ser mais importante.

Publicado por

AILTON V. PRIMO

Brasileiro, casado, médico radiologista, 65 anos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.