INVEJA BRANCA

Quando a noite se aproxima prometendo seus mistérios, e o sol se põe de mansinho no horizonte. O homem da roça sentado na porta da de sua casa assiste o espetáculo diário e gratuito que a natureza lhe oferece. Vê a passarada ainda em algazarra se abrigando na copa das árvores, as galinhas se dirigindo ao poleiro, as vacas apartadas de suas crias berram desconsoladas. A claridade do crepúsculo vai dando lugar a um tom laranja-avermelhado no céu. A noite criando corpo, traz consigo o brilho das estrelas numa transição maravilhosa enquanto a lua cobre de prata tudo o que vê. Os sons do dia adormecem, dando lugar aos noturnos cricrilar dos grilos, coaxar dos sapos, chirriar das corujas, todos procurando atrair as fêmeas para o acasalamento. Tião está cansado, mas agradecido e feliz, para o que, lhe basta muito pouco. Fez todo o trabalho programado para o dia E já fez os planos para amanhã. Seu universo temporal é curto, e suas preocupações além da mulher e dos filhos, se prendem às coisas da natureza: chuva, seca, ventanias, plantio, colheita, criação. As coisas que não entende: política, mercado, inflação, preço da arroba, ou da tonelada, deixa para o patrão que é letrado se preocupar. Sua vida é simples e não pretende complica-la. Vai vivendo segundo suas palavras: “como Deus é servido”., A mulher chama para jantar. Come arroz frango e quiabo, depois pega a viola e volta para o terreiro e, mesmo achando a vida boa, canta canções tristes, toadas, cantigas, modas de viola, quem sabe também com intenções de acasalamento. Os outros peões quando podem se aproximam, contam histórias, trocam experiência até serem vencidos pelo sono merecido depois daquele dia duro do trabalho. – Assim que o galo canta na madrugada Tião já pressente o novo espetáculo que se avizinha, o amanhecer. Levanta antes do sol, já ouvindo o canto dos pássaros que vai aumentando de intensidade gradativamente. É o mundo que acorda. Já está cuidando da ordenha matinal quando o horizonte começa a ficar alaranjado, anunciando o regresso do sol, que se levanta grandioso irradiando luz e calor para o começo de um novo dia. A beleza do amanhecer o enche de esperança, alegria gratidão por fazer parte da grande magia da vida. – Tião entrega-se ao trabalho na certeza que à noitinha tudo começará novamente. Agradece a Deus pelo privilégio de assistir duas vezes por dia a este espetáculos grandiosos da criação. Não, não poderia ser mais feliz em outro lugar. Não tem grandes ambições, quer deixar tudo como está. E não tenho argumentos para discordar. Seja feliz sempre Tião e proteja-se em sua bolha de tranquilidade. Que diferença do meu atribulado mundo. Tenho uma inveja branca de você!

Publicado por

AILTON V. PRIMO

Brasileiro, casado, médico radiologista, 65 anos

Um comentário sobre “INVEJA BRANCA”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.